Decaimento da Intensidade do Campo Magnético da Terra

“… as condições ambientais num planeta que permitisse criaturas com complexidade como as das pessoas, ou plantas, ou animais é algo muito raro… a Terra é, na verdade, um local muito especial.” Dr. Don Brownlee


O campo magnético da Terra é um escudo invisível que protege o nosso planeta da radiação que vem do espaço, principalmente do Sol. É por meio dele que o ponteiro da bússula se orienta e ele também é o responsável pela aurora boreal.

Medições diretas do campo magnético da Terra durante os últimos 140 anos mostram um declínio rápido da sua força. Dr. Thomas Barnes notou que medições feitas desde 1835 mostravam haver um decaimento da parte principal do campo magnético da Terra (a parte bipolar que é cerca de 90% do total observado) da ordem de 5% por século.1 Medições arqueológicas demonstram que a intensidade do campo magnético por volta dos anos 1.000 A.D. era cerca de 40% maior que a intensidade atual.2 Dr. Barnes calculou que esta corrente não poderia estar decaindo a mais de 10.000 anos, pois a sua força teria sido tão grande que a Terra seria apenas um mundo de rochas derretidas.
(mais…)

Anúncios

Evidências para uma terra jovem por D. Russell Humphreys, Ph.D. parte 2

Parte 1 caso não tenha lido

Na parte 1, link acima, citamos evidências no universo, agora vamos para a própria terra.

3 – Não há lama (sedimentos), suficiente no fundo do mar

http://oceanexplorer.noaa.gov/explorations/deepeast01/background/complexity/media/complexity1_600.jpg

Todos os anos a água e o vento corroem 25 bilhões de toneladas de imundície e rochas e depositam no fundo do oceano¹. Esse material tanto acumula, quanto perde sedimento (ex. lama), na rocha rídiga basaltica (vulcânica), no fundo do oceano. A maior profundidade de lama acumulada em todo oceano, incluindo a camada continental é de 400mentros².

O modo mais conhecido de remover essa lama do fundo do oceando é pela subducção de placa tectônica, ou seja, o fundo do oceano desliza para debaixo dos continentes .Segundo a literatura científica secular, esse processo remove 1 bilhão de toneladas por ano³. Assim todos saberm que os outros 24 bilhões simplesmente se acumulam. A esta taxa, a erosão depositaria o atual montante em menos de 12 milhões de anos, aqui está o problema, especula-se que a terra possua 4,5 bilhões de anos e segundo e os mesmo, e de acordo com a teoria evolucionária essa taxa existe desde o início.

Mas e ae, 12 milhões de anos está além do que a biblía diz, certo ? Ou como explicar isso ? Só com uma grande inundação que atingiria todo o globo terrestre, ou seja, o dilúvio.

4 – Não há sódio suficiente no mar

https://i1.wp.com/www.reneguenon.net/MArRevolto.jpg

Todos os anos rios e outras fontes despejam 450 milhões de toneladas de sódio no oceano, dessa quantidade apenas 27% conseguem ser tirados4,5 .

Supondo que o oceano não possuia nenhum sódio no início a quantidade de sódio atual acumularia em 42 milhões de anos6.

Uma resposta da teoria evolucionário para isso é que no passado a taxa de entrada deveria ser menor do que a de saída, não se pode provar isso, mas se pode especular. Contudo um cálcula tão generosa quanto possível para a resposta evolucionária, daria o máximo de 62 milhoes de anos.6

Outros cálculos para outros elementos da água darão sempre uma idade bem mais nova do que as supra-citadas.

Fontes

1. Gordeyev, V. V. et al., “The average chemical composition of suspensions in
the world’s rivers and the supply of sediments to the ocean by streams,”
Dockl. Akad. Nauk. SSSR 238 (1980) 150.

2. Hay, W. W., et al., “Mass/age distribution and composition of sediments on
the ocean floor and the global rate of subduction,” Journal of Geophysical
Research, 93, No B12 (10 December 1988) 14,933-14,940.

3. Maybeck, M., “Concentrations des eaux fluviales en elements majeurs et apports
en solution aux oceans,” Rev. de Geol. Dyn. Geogr. Phys. 21 (1979)
215.

4. Sayles, F. L. and P. C. Mangelsdorf, “Cation-exchange characteristics of
Amazon River suspended sediment and its reaction with seawater,” Geochimica
et Cosmochimica Acta 41 (1979) 767.

5. Austin, S. A. and D. R. Humphreys, “The sea’s missing salt: a dilemma for
evolutionists,” in Proc. 2nd Internat. Conf. on Creationism, Vol. II, Creation
Science Fellowship (1991).

6. Austin, S. A., “Evolution: the oceans say no!” ICR Impact No. 8 (Oct.
1973) Institute for Creation Research.

Boas práticas da programação.

Antes de começar a falar um pouco sobre algumas práticas saudáveis para programar, vamos fazer uma separação, existem programadores e os que se acham programadores, vou escrever para a 1ª opção. Programadores de fato são aqueles que dominam bem a arte de programar, seja em qual linguagem que for, para isso não é obrigatório ter algum curso de graduação, basta apenas gostar de programar. Vale ressaltar que se graduar naquilo que você gosta, abre muitas portas, eu me graduei e incentivo a todos seguirem esse caminho.

Para se programar satisfatoriamente bem

1º – Faça uma análise do código, isso é indispensável, porém use do bom senso, acho um equilibrio para que não se estenda muito.

2º- Faça diagramas, básico de todos , Diagrama de Classes, e depois, Use case, são também indispensáveis.

3º- Papel e caneta, ou um quadro branco e caneta piloto, são excelentes para raciocinar.

4º- Sempre calcule uma folga de tempo, há funções que podem ser simples, mas as vezes “buga” e para “debugar” vai mais tempo do que você pensa.

5º- Mãos na massa, vá programar. Verifique as funções genéricas, e as implementem em uma classe só.

6º- Siga um padrão de organização de arquivos, estude o MVC para ter uma idéia.

7º- No início, não se preocupe com a aparência, mas sim com a funcionalidade, acabamento vêm depois.

8º- Siga padrões já estudados, os Desgin Patterns, tais como Singleton, Factory, Facade, e outros que se apliquem ao seu sistema.

9º- Depois dos testes devidamente feitos, parta agora para o acabamento, fonte, cor, botão, de acordo com a solicitação do usuário, caso seu código seja visto por outrem, comente ele e gere uma documentação.

10º- Tudo que é programado é igual a um filho, por mais que ele chegue a uma maturidade a qual não necessite de você, é sempre bom estar de olho.

Isso é o básico para uma boa programação, o mais importante de tudo é sempre se atualizar, sempre aprimorar suas técnicas, procure estudar a linguagem na qual está programando, há inúmeras funções que serão muito útil para você. E lembre-se, todo programador é um artista, características da sua programação ficarão nítidas nos seus códigos, então veja bem como programa.

Coisas interssantes, sobre a evolução, que são escondidas de você! PARTE 3

“Dinossauros são animais extintos a 65 milhões de anos…”, muito antes do homem existir, por volta dos 4 milhões de anos, isso tudo segundo a religião ciência que crê única e exclusivamente na Teoria da Evolução.

Agora vamos a duas perguntas interessantes…

Se houvesse comprovação arqueológica, incontestável, de que os dinossauros não são tão antigos, e pior, que eles foram contemporâneos ao homem e que, não obstante tudo isso, ainda tivessem datação comprovada com o tempo do homem descrito na Bíblia? Você continuaria acreditando na religião ciência da Teoria da Evolução ?

Por mais estranha e esdruxúla que pareça a pergunta, a resposta é

Houve, ou ainda, há dinossauros contemporâneo ao homem !

O texto que segue abaixo não é de minha autoria, é de um grupo de cientistas que provam que Deus e a ciência corretamente interpretada, podem andar juntos.

Para começar o choque, repare na foto abaixo, foi tirada em 1925 – Baía de Monterey, Califórnia, e é de um Pleosossauro !

Dinossauro contemporâneo ao Homem
Dinossauro contemporâneo ao Homem

Segue o texto…

(mais…)

Minha experiência com ASP !

Participei de um processo seletivou onde eu tive que aprender a programar em ASP. Como programação está na cabeça, parti para aprender a sintaxe do ASP e  fui fazer a prova.

De cara, o ASP é bem parecido com VB nos comandos e na maneira linear de programar, notem, parecido não é totalmente igual.  O output padrão é chamado de um objeto (response),  esse objeto tem vários métodos que tratam de todos os tipos de respostas da aplicação, nada de estranho, se levar em consideração o Java (System.out).

As condições lógicas estão todas lá, if, for, while, case(switch), porém, o que me chamou a atenção é que ele não possui separadores de instruções ou blocos, no PHP e Java por exemplor usamos chaves (“{” ,”}”), sendo que a identação serve para isso.

O ASP possui um “include”, inclusão de outro arquivo na execução código, porém isso só posse ser feito no início da aplicação no topo da página, não dá, até onde eu vi, para incluir um código no meio de uma página.

Infelizmento o ASP não é orientando a objeto, versões posteriores estão informando que isso já está resolvido, de fato não sei, a versão que estudei era toda linear, programação top-down, para quem está acostumado com Pascal, Delphi e VB não faz muita diferença, mas para quem entrou no mundo OO, vai sentir o impacto.

Uma coisa interessante que achei no ASP foi o Global ASA, são instruções que podem ser executadas, quando servidor inicia o 1ª execução de código, quando o servidor cai, quando se cria ou perde uma sessão, isso é uma sacada interessante, e com certeza tem muita utilidade.

No demais, o ASP grava COOKIES , SESSÕES para servidor como demais linguagens de programação para web. Para quem conhece PHP,  apesar de sintaxe bem diferente, vai conseguir se adaptar com certa facilidade no ASP.

Gente nova na Blogosfera! (Blogsphere) – Receitas Diet

Como essa Blogosfera é uma bolha que não estorou e não vai estourar, a cada dia mais pessoas fazem parte da mesma. Não poderia ser diferente com minha esposa.

Entrou para me ajudar a cumprir uma meta para 2009, emagrecer, por isso dentre outras coisas, ela escreve muito sobre Receitas Diet (Sem açúcar mesmo), e por “increça que parível” (leia em voz alta, parece palavrão), mesmo sem açúcar os doces são uma delícia !

Então quem puder dar uma força pra ela, vista lá Ângela Melo Fiuza. E aproveita “follow” no twitter tb @angelafiuza e eu é lógico @fiuza.

Thanks!

Coisas interssantes, sobre a evolução, que são escondidas de você! PARTE 2

Não leu a parte 1? então clique

Continuando.

A teoria do Big bang, quando anunciada, já tinha gente afirmando que o Big Bang era tão provável que seria quase um fato (sim, Dercy estava lá vendo tudo!!!), mas antes de começar a refutar todo o conceito (religioso), do Big Bang, vamos entender um pouco.

O “Big Bang”, Grande Explosão para nós, como o nome já diz, foi uma grande explosão (Dãhh!), no início do universo, a qual original tudo o que existe, inclusive eu e você que está lendo isso. Mas como foi isso? E explodiu o que?

Resumidamente, a teoria diz que a massa do universo estava condensada em um corpo, há mais ou menos 14 bilhões de anos atrás, (de tamanho discutível, já falaram do tamanho de uma bola de gude, mas foi pura especulação, assim como a teoria), com temperatura muito elevada, a níveis absurdos, astronômicos e imensuráveis. A gravidade devido à densidade da massa era tanta que ela passou a “sugar-se”, a tal ponto que não teve mais como se contrair que acabou explodindo. Daí surge a idéia de um universo em expansão.

A bem da verdade é que havia a famosa briga entre evolução X criação, mas a Criação tinha uma vantagem, temos um princípio de tudo enquanto a Evolução não, então qual foi a solução, “temos que “inventar” uma teoria do princípio de tudo!”, daí vem esse conceito furado do Big Bang.

Para melhor entender a furada que é foi transcrever uma carta escrita a comunidade científica sobre o Big Bang (copiada de A Lógica do Sabino)

CARTA ABERTA À COMUNIDADE CIENTÍFICA

Atualmente, o Big Bang assenta num grande número de entidades hipotéticas, coisas que nunca observamos – inflação, matéria escura e energia escura são os exemplos mais proeminentes. Sem eles, haveria uma contradição fatal entre as observações realizadas pelos astrônomos e as predições da teoria do Big Bang. Este contínuo recurso a objetos hipotéticos não seria aceite em mais nenhum outro campo da Física, como uma forma de preencher a lacuna entre a teoria e a observação. No mínimo, levantaria sérias questões a respeito da validade da teoria promulgada.

Mas a teoria do Big Bang não pode sobreviver sem estes fatores defeituosos. Sem o hipotético campo inflacionário, a teoria do Big Bang não prevê a radiação cósmica de fundo que é observada, porque não haveria maneira de algumas partes do Universo, que se encontram a alguma  distância da atmosfera, retornarem à mesma temperatura e emitirem a mesma quantidade de radiação em microondas.

Sem a matéria escura, que nunca conseguimos detectar, apesar de 20 anos de observação, a teoria do Big Bang faz previsões contraditórias em relação à matéria do Universo. A inflação requer uma densidade 20 vezes maior do que a implicada pela nucleossíntese do Big Bang, a explicação da teoria para a origem dos elementos leves. E sem energia escura, a teoria prevê que o Universo tem apenas 8 mil milhões de anos, milhões de anos mais novo do que a idade de muitas estrelas na nossa galáxia.

Além disto, tudo, a teoria do Big Bang não se pode vangloriar das previsões quantitativas que foram validadas através da observação. Os sucessos reclamados pelos apoiantes da teoria consistem na habilidade dos cientistas em encaixarem observações num grande leque de parâmetros ajustáveis.

[…]

Richard Feynman poderia dizer que “a ciência é a cultura da dúvida”, no entanto, em Cosmologia, a dúvida e a divergência não é tolerada e os jovens cientistas aprendem a permanecer em silêncio se tiverem alguma coisa negativa para dizer acerca do modelo padrão do Big Bang. Aqueles que duvidam do Big Bang temem que isso lhes custe o financiamento para a sua investigação.

Atualmente, mesmo as observações são interpretadas segundo determinado preconceito e são consideradas correta ou erradas caso suportem o Big Bang ou não. Por esta razão, dados discordantes em relação aos redshifts, abundância de lítio e hélio, a distribuição das galáxias, entre outros tópicos, são ignorados ou ridicularizados. Isto reflete uma mente dogmática em crescimento, indiferente ao livre questionamento científico.

Hoje em dia, todos os recursos financeiros e experimentais em Cosmologia são destinados aos estudos do Big Bang. O financiamento provém de poucas fontes e todos os comitês de peer-review que os controlam são constituídos por apoiantes do Big Bang. Como resultado, o domínio do Big Bang no campo da Cosmologia tornou-se auto-sustentável, imune à validade científica da teoria.

Atribuir financiamento apenas a projetos relacionados com o Big Bang menospreza um elemento fundamental do método científico – a verificação constante da teoria contra a observação. Tal restrição torna impossível uma discussão e investigação livre de preconceitos. Para reparar isto, desejamos que as agências que financiam o trabalho em Cosmologia disponibilizem uma fração significativa do seu investimento, para investigação em teorias alternativas ao Big Bang. Para evitar a parcialidade, o comitê de peer-review que estabelece as verbas deveria ser constituído, também, por astrônomos e físicos fora do campo da Cosmologia.

“A disponibilização de fundos para investigação da validade do Big Bang, e as suas alternativas, permitiria ao processo científico determinar um modelo mais preciso relativamente à história do Universo.”

O interessante é que essa carta não foi escrita por um religioso, se junta a isso outras indagações interessantes. As galáxias possuem idades aparentes, para entendermos isso, primeiro vamos pensar porque eles não deveriam ter idades aparentes. Teoricamente no Big Bang, o que estava mais afastado do núcleo foi o que dissipou 1º e por isso estaria a bilhões de anos luz mais velho do que estava perto do núcleo. Porém não parace isso, as galáxias que estão mais “próximas ao centro do universo” possui idades aparentes as galáxias que estão mais afastadas, mas o que é idade aparente? Levando em consideração um exemplo religioso, vai ficar mais fácil de entender. Imagine que você é um observador que voltou no 8º dia, após os 6 dias da criação divina, o Gênesis mesmo, ae você vê Adão, olha pra ele e diz, ele deve ter uns 30 anos (especulação), chama Adão e pergunta, e qual é a resposta dele? Não tenho 2 dias de vida… Entendeu idades aparentes? Apesar de parecerem muito mais velhos, tudo indica que as galáxias foram criadas quase que simultaneamente.

Outra coisa é a respeito da idade do universo, para medir a idade do universo se levou em consideração principal o calor (um frio terrível) atual do Universo que é 3K ou -270º c, e como fizeram isso? Imaginaram o calor inicial da explosão, e quanto tempo demoraria a esfriar até 3K, resultado 14 bilhões de anos, para ficar mais fácil, aqueça uma panela a 100ºC, espere ela esfriar a 20ºC, quanto tempo demorou a isso acontecer? Foi assim que mediram a idade do universo. O mais interessante é que se usarmos a mesmíssima fórmula, só mudando a especulação da temperatura atual, temos algo em torno de 10 mil anos, sim isso mesmo!!! Mas como assim? Fizeram as seguintes suposições, imaginemos todas as estrelas que pudemos contar atualmente e o calor que elas estão dissipando no universo, quanto tempo demoraria a aquecermos um universo de 0K, ou -273ºC,  a 3K, -270º C, outro exemplo para ficar mais fácil. Compra-se uma chocadeira, no seu interior existem vários bocais para lâmpadas, com todas as lâmpadas apagadas, a chocadeira têm uma temperatura de 10ºC (deve estar em Curitiba a chocadeira… hehehe), ae liga-se 20 lâmpadas, e se marca o tempo que a temperatura vai aumentar até 40ºC. Você já ouviu sobre isso? Não né? Isso é escondido, não é divulgado nos veículos de comunicações e muito menos está na capa da Science.

O que existia antes do Big Bang? Quem criou as massas que se condensaram para o Big Bang? Qual foi a ignição para explosão (explosão = combustível+comburente+ignição)?  Difícil né… Agora vamos para a parte mais legal… Como pode uma explosão criar alguma coisa? Se eu explodir um paralelepípedo, vai surgir uma mansão? E o um carro, explodindo um fusca, sai uma Ferrari? Posso explodir minha sogra? O que surgiria?

Bem são alguma perguntas “interessantes” para fazermos sobre o Big bang, fora o fato de verificarmos que tudo, absolutamente tudo, tende para a desordem, pense na terra na época do seus avós como era e como é agora, pense quando você era criança como era seu corpo e como é agora.  O universo tende ao CAOS, a desordem, a desorganização, muitos cientistas sabem disso, mas se calam para não contradizer a Teoria Científica (Religiosa) do Big Bang.

Entenderam como as coisas funcionam? Questionar é o ponto chave. O fato de aparecer na Science ser divulgado na mídia, não dá veracidade nenhuma as afirmações, precisamos ser mais concisos e questionadores em relação a “Ciência” de hoje em dia.